terça-feira, 24 de novembro de 2015

O filho do Keijo em: A 6° vitória de um Rosberg e um novo companheiro de peso.

Na 4° parte de nossa série sobre Nico Rosberg​, o alemão inicia uma nova fase em sua carreira, dessa vez com vitórias e uma renovação em sua equipe.




2006 - 17º - 4 pontos - melhor posição P7 em duas ocasiões 2007 - 9° - 20 pontos – melhor posição P4 no GP do Brasil
Texto sobre 2006 e 2007: Clique aqui para ler.  2008 – 13° - 17 pontos – melhor posição P2 em Cingapura 2009 – 7° - 34,5 pontos – P4 em duas ocasiões
Texto sobre 2008 e 2009: Clique aqui para ler. 2010 - 7° - 142 pontos – Melhor posição P3 em três ocasiões 2011 - 7° - 56 pontos – Melhor posição P5 em duas ocasiões 

Texto sobre 2010 e 2011: Clique aqui para ler
O foco do post anterior foi uma batalha contra o hepta campeão do mundo, mas agora é foco é todo nele, vamos dar um ''close'' na brytn... Rosberg!  

2012:


Um começo fraco? Se pegarmos as duas primeiras corridas sim, mas o nosso admirável filho do Keijo botou fim nesse começo frágil. Após míseros P12 e P13 nos dois primeiros GP’s, Nico se supera, crava a primeira pole da sua carreira e de quebra vence de ponta a ponta o GP da China. 
Mas não para por ai, Nico subiu mais uma vez no pódio durante o campeonato; com um P2 no elegantíssimo principado de Mônaco. Após isso, Nico descaiu, muitos procuraram, detetives foram contratados, mas nenhum deles o encontrou. Pois Nico simplesmente sumiu, desapareceu. Fora a vitória e o pódio, nico somou pontos em apenas 8 corridas, e obteve como melhor resultado dois meros P5, acabando assim em 9° no mundial, com apenas 93 pontos, sem contar com 3 abandonos e 7 corridas fora da zona de pontuação.
 
2013:


Rosberg não começou bem a temporada, abandonando o Grande Prêmio da Austrália por causa de problemas elétricos no carro e assim somando um jejum de 3 anos consecutivos sem pontuar na primeira prova do ano.
Nico venceu novamente, dessa vez em duas corridas, Mônaco e na Grã Bretanha. Em geral esse foi um bom ano para o piloto alemão, sendo que pontuou em todas as corridas que encerrou, pois abandonou em 3 GP’s (Austrália, China e Hungria). Por fim terminou o ano em um bom 6° lugar, alcançando seu auge ate então, com 171 pontos quebrando mais um recorde pessoal. Recordes que seriam novamente ultrapassados nos próximos anos. Mas isso é assunto para o próximo post!








 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog



Valeu!