segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Resultado final das disputas internas entre os pilotos.

Este é o último post estatístico sobre a temporada 2015, dessa vez vamos mostrar o resultado final das disputas internas entre os companheiros. Quem fez mais pontos? Quem chegou mais vezes a frente nas corridas em relação ao ''team mate''? Descubra isso no post de hoje:



                                                                      Vitórias internas:





Mercedes:

Lewis Hamilton: 12
Nico Rosberg: 7


Ferrari:

Sebastian Vettel: 15
Kimi Raikkonen: 4

*Williams:

Valtteri Bottas: 10
Felipe Massa: 8

Red Bull:

Daniil Kvyat: 11
Daniel Ricciardo: 8

Force India:

Sergio Pérez: 12
Nico Hulkenberg: 7

Lotus:

Romain Grosjean: 14
Pastor Maldonado: 5

Toro Rosso:

Max Verstappen: 13
Carlos Sinz. Jr: 6

Sauber:

Felipe Nasr: 11
Marcus Ericsson: 8

*McLaren:

Jenson Button: 12
Fernando Alonso: 6

**Manor Marussia:

Will Stevens: 7
Roberto Mehri: 5

Will Stevens: 1
Alexander Rossi: 4





*Valtteri Bottas não largou no GP da Austrália.

*Fernando Alonso não participou do GP da Austrália.

*Manor Marussia não participou do GP da Austrália.

*Roberto Mehri foi substituído por Alexander Rossi nos GP's de Singapura, Japão, Estados Unidos, México e Brasil, por isso é constado os dois nas batalhas da Manor.



                                                                     Pontos:




Mercedes:

Lewis Hamilton: 381
Nico Rosberg: 322


Ferrari:

Sebastian Vettel: 278
Kimi Raikkonen: 150

Williams:

Valtteri Bottas: 136
Felipe Massa: 121

Red Bull:

Daniil Kvyat: 95
Daniel Ricciardo: 92

Force India:

Sergio Pérez: 78
Nico Hulkenberg: 58

Lotus:

Romain Grosjean: 51
Pastor Maldonado: 27

Toro Rosso:

Max Verstappen: 49
Carlos Sinz. Jr: 18

Sauber:

Felipe Nasr: 27
Marcus Ericsson: 9

McLaren:

Jenson Button: 16
Fernando Alonso: 11

Manor Marussia:

Will Stevens: 0
Roberto Mehri: 0
Alexander Rossi: 0







 Clique aqui para: 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog


Valeu!

domingo, 29 de novembro de 2015

Resultado final da temporada 2015.

A temporada 2015 acabou, é hora de rever o que aconteceu. No post de hoje trago o resultado final da tabela de pilotos e construtores, a volta mais rápida de cada corrida e o pole position das mesmas.




   Classificação de pilotos:

Lewis Hamilton: 10 vitórias
Nico Rosberg: 6 vitórias
Sebastian Vettel: 3 vitórias




  Classificação de construtores:

Mercedes: 16 vitórias
Ferrari; 3 vitórias






 Voltas mais rápidas:

Lewis Hamilton: 8 voltas mais rápidas
Nico Rosberg: 5 voltas mais rápidas
Daniel Ricciardo: 3 voltas mais rápidas
Kimi Raikkonen: 2 voltas mais rápidas
Sebastian Vettel: 1 volta mais rápida

  
                                                     

Pole positions:






Equipes que subiram ao pódio:

Resultados não distintos, ou seja, mesmo que dois pilotos da mesma equipe tenham subido ao pódio, conta os dois. Ex: Daniel Ricciardo e Daniil Kvyat subiram ao pódio pela Red Bull, a posição no pódio de ambos conta para a estatística.





Pilotos que subiram ao pódio:




























                                                                             
                                                                           Em breve:

Amanhã vamos continuar falando do que aconteceu na temporada 2015, até lá!









 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog


Valeu!

sábado, 28 de novembro de 2015

Resultado final da disputa interna ''head by head'' da temporada 2015 em classificações.

Após o fim da última sessão classificatória da temporada, temos os resultados e as disputas internas encerradas. Houve algumas equipes que o desempenho de seus pilotos foi equilibrado, porém em alguns casos a vantagem e a supremacia de um dos pilotos foi gigante. Saiba quem se deu bem em relação ao companheiro de equipe no post de hoje:







                                                                                Mercedes:






                                                                           Hamilton: 12

                                                                            Rosberg: 7



                                                                              Ferrari:




                                                                           Vettel: 15

                                                                         Raikkonen: 4



                                                                           Williams:





                                                                                 Bottas: 11

                                                                                  Massa: 8




                                                                              Red Bull:






                                                                           Ricciardo: 11
                                                                             Kvyat: 8




                       
                                                                             Force India:






                                                                            Hulkenberg: 10
                                                                                Perez: 9


                                                                                   Lotus:






                                                                              Grosjean: 17
                                                                            Maldonado: 2



                                                                             Toro Rosso:






                                                                             Sainz. Jr: 10 

                                                                           Verstappen: 9 

                                                                              
                                                                                      Sauber:






                                                                                 Nasr: 10

                                                                              Ericsson: 9




                                                                                 McLaren:






                                                                           *Alonso: 10
                                                                            Button: 8


                                                                              *Manor:




                                             
                                                                        Stevens: 11
                                                                          Mehri: 3



                                                                       *Stevens: 2

                                                                          Rossi: 3




*Fernando Alonso não disputou o GP da Austrália, por isso na batalha dos pilotos da McLaren, essa corrida não conta.

*Alexander Rossi substituiu Roberto Mehri nos Gp's de Singapura, Japão, Estados Unidos, México e Brasil.

*A Manor Marussia não disputou o GP da Austrália, portanto os resultados não serão considerados.



                                                                  Amanhã:

Após a corrida, será a vez do comparativo entre os pilotos nas corrida, aguardem!






PS:Não encontrei nenhuma tabela oficial disso, então apenas procurei os resultados e anotei-os manualmente. Caso alguma informação esteja errada, comunique aqui ou no Facebook para corrigir o erro!





 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog


Valeu!
                                                                



sexta-feira, 27 de novembro de 2015

O dia em que Roberto Pupo Moreno pôs uma Andrea Moda no Grid.

Para quem não sabe, a Andrea Moda foi uma equipe considerada por muitos a pior da história. No GP de Mônaco de 1992, o Piloto Brasileiro Roberto Pupo Moreno conseguiu a única classificação da história da equipe para o Grid de uma corrida de F1. Uma façanha milagrosa que merece destaque no post de hoje:
                                       
  
O GP de Mônaco de 1992 foi o ápice da equipe.
                                                                             
                                               




















                                                              Quase ninguém se lembra disso:

Essa corrida em Mônaco ficou lembrada pela disputa entre Senna e Mansell, mas a façanha de Moreno poucos conhecem. O 26° lugar no Grid foi o maior feito da equipe em toda sua curta trajetória de 12 corridas na F1.

                                                  
                                                              ''São Moreno'' alinhou o carro no Grid:


Na pré-classificação, a Andrea Moda já conquistou a façanha de pôr o carro de Moreno na pista sem problemas. Quando ele fez suas voltas, viria outra surpresa: O carro estava pelo menos andando como um F1 e não como um F3 que geralmente tomava até 10 segundos dos carros de ponta. O tempo anotado de 1:24.981 rendeu-lhe a 26° e última posição no Grid.


O sonho durou pouco:

Na volta 11, o fraco e problemático motor Judd da Andrea Moda foi embora e deixou Moreno na mão. Naquele momento ele ocupava a 19° e última posição da corrida.


Apesar da transmissão da TV não mostrar a hora do abandono, os repórteres o entrevistam e comentam o ''milagre''. (Assista o comentário e entrevista a partir de 11 minutos e 45 segundos de vídeo).





 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog


Valeu!
                                                                
                                   







quarta-feira, 25 de novembro de 2015

O tamanho da regressão da Fórmula 1.

Dando continuidade ao que foi falado no post de segunda feira, onde o tema mostrado era a diferença entre carros de três categorias diferentes (F1,WEC e GP2), vamos falar hoje de como a Fórmula 1 regrediu na tecnologia e aerodinâmica e ficou mais ''quadrada''  nos últimos anos. Debata esse ''polêmico'' tema no post de hoje:


                                   
                                                                       
                                                                             Aerodinâmica:


O estranho e ruim Lotus E22.
O ápice do desenvolvimento e uso da aerodinâmica nos carros aconteceu entre 2004 e 2008, isso é notável já no visual dos carros. Em 2009 houve uma grande mudança do tamanho dos difusores e asas dos carros; com isso, a primeira reação dos fãs foi de criticar os modelos daquela temporada. Em 2012 foi a mesma coisa, pois uma regra que determinava a altura e tamanho dos bicos dianteiros causou um mal-estar visual nos carros daquele ano. Mais uma vez, em 2014 com a mudança dos motores de V8 aspirado para V6 turbo, a carga aerodinâmica dos carros mudou e dessa vez causou muita discussão. Os bicos eram horríveis em algumas equipes e o desempenho dos carros não agradou muito. A categoria nesses anos ao invés de seguir a tendência geral e fazer um uso melhor desses recursos que atrairiam mais competitividade fez só proibições e freou desenvolvimentos. 
Mas que fique claro uma coisa, eu sei que se a anexação de mais ''penduralhos'' nos carros como estava acontecendo em 2008 estava exagerada e alguma coisa eles tinham que fazer para impedir isso, só acho que a mudança foi muito radical que atrapalhou inteiramente o projeto de muitas equipes.

             
                                                                              Motores:



Não é necessário muitos comentários, pois todos conhecem essa história relacionada ao som dos atuais motores da F1. Esse não vai ser o ponto central da discussão, quero falar de outras coisas relacionadas aos propulsores.
1°: A ideia de fazer motores híbridos é legal sim, mas infelizmente não é esse caminho que a categoria deve seguir futuramente se quer futuramente atrair mais público e pessoas ao redor das equipes. Isso porque esse sistema é caro e vamos confessar, o som nem chega perto de um V6 convencional.
2°: A aerodinâmica (fator citado acima), perdeu um pouco da importância após essas modificações. A potência do motor é fator chave nos carros atuais, a Mercedes tem um motor ótimo (claro que um eles têm um chassi e uma ótima equipe também)  e esse é um dos maiores fatores do domínio da equipe.
3° Assim como citado acima, a importância dessa ''unidade motriz'' ser eficiente é crucial e quando isso não acontece é discussão na certa. Vide a ''briga'' Red Bull X Renault e McLaren X Honda, por causa dos motores. As fornecedoras fazem um motor caro e pouco eficiente comparado aos adversários e ainda ouvem reclamações dos clientes. Isso é ruim, pois com uma má impressão da categoria e os altos custos, futuras equipes e fornecedores podem desistir de entrar na F1 por causa disso.     


                                                                               
                                                                       Tempo de volta:


Dessa vez vamos usar o circuito de Monza para comparar as voltas, começando por 2004, ano em que o recorde da pista foi quebrado.

2004:

Rubens Barrichello, Ferrari: 1:20.089

2007:

Fernando Alonso, McLaren-Mercedes: 1:21.997

2010:

 Fernando Alonso, Ferrari: 1:21.962


2011:

Sebastian Vettel, Red Bull-Renault: 1:22.275

2013:


 Sebastian Vettel, Red Bull-Renault1:23.755

2015:

Lewis Hamilton Mercedes: 1:23.397

GAP total:

2004/2015

1:20.089
                           =  + 3.308
1:23.397



Concluindo:

A Mercedes de 2015 é tão rápida quanto uma Minardi de 2004!




Que fique claro:


Que eu não quero denegrir a imagem da categoria e nem que eu esteja ''bostejando'' coisas aleatórias só para ganhar cliques. Fiz esse post pois alguns leitores pediram para ter uma continuação nesse comparativo e aproveitei para fazer um comentário, espero que tenha ajudado e informado vocês!
Caso houver algum erro em alguma informação citada aqui, avise, é bom para todos termos a informação correta (-:!



                                                                                    

terça-feira, 24 de novembro de 2015

O filho do Keijo em: A 6° vitória de um Rosberg e um novo companheiro de peso.

Na 4° parte de nossa série sobre Nico Rosberg​, o alemão inicia uma nova fase em sua carreira, dessa vez com vitórias e uma renovação em sua equipe.




2006 - 17º - 4 pontos - melhor posição P7 em duas ocasiões 2007 - 9° - 20 pontos – melhor posição P4 no GP do Brasil
Texto sobre 2006 e 2007: Clique aqui para ler.  2008 – 13° - 17 pontos – melhor posição P2 em Cingapura 2009 – 7° - 34,5 pontos – P4 em duas ocasiões
Texto sobre 2008 e 2009: Clique aqui para ler. 2010 - 7° - 142 pontos – Melhor posição P3 em três ocasiões 2011 - 7° - 56 pontos – Melhor posição P5 em duas ocasiões 

Texto sobre 2010 e 2011: Clique aqui para ler
O foco do post anterior foi uma batalha contra o hepta campeão do mundo, mas agora é foco é todo nele, vamos dar um ''close'' na brytn... Rosberg!  

2012:


Um começo fraco? Se pegarmos as duas primeiras corridas sim, mas o nosso admirável filho do Keijo botou fim nesse começo frágil. Após míseros P12 e P13 nos dois primeiros GP’s, Nico se supera, crava a primeira pole da sua carreira e de quebra vence de ponta a ponta o GP da China. 
Mas não para por ai, Nico subiu mais uma vez no pódio durante o campeonato; com um P2 no elegantíssimo principado de Mônaco. Após isso, Nico descaiu, muitos procuraram, detetives foram contratados, mas nenhum deles o encontrou. Pois Nico simplesmente sumiu, desapareceu. Fora a vitória e o pódio, nico somou pontos em apenas 8 corridas, e obteve como melhor resultado dois meros P5, acabando assim em 9° no mundial, com apenas 93 pontos, sem contar com 3 abandonos e 7 corridas fora da zona de pontuação.
 
2013:


Rosberg não começou bem a temporada, abandonando o Grande Prêmio da Austrália por causa de problemas elétricos no carro e assim somando um jejum de 3 anos consecutivos sem pontuar na primeira prova do ano.
Nico venceu novamente, dessa vez em duas corridas, Mônaco e na Grã Bretanha. Em geral esse foi um bom ano para o piloto alemão, sendo que pontuou em todas as corridas que encerrou, pois abandonou em 3 GP’s (Austrália, China e Hungria). Por fim terminou o ano em um bom 6° lugar, alcançando seu auge ate então, com 171 pontos quebrando mais um recorde pessoal. Recordes que seriam novamente ultrapassados nos próximos anos. Mas isso é assunto para o próximo post!








 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog



Valeu!


domingo, 22 de novembro de 2015

A diferença do tempo de volta entre um F1, protótipo de WEC e GP2.

Apesar da F1 ter os carros mais rápidos e competitivos entre todas as categorias, os protótipos de Endurance e os carros da GP2 nunca tiveram um desempenho tão parecido com os carros da F1. Seria a categoria do Tio Bernie regredindo ou as outras categorias evoluindo? Tire uma prova da diferença entre os três no post de hoje:  




                                                                             
                                                                                   Tempo de volta:


Circuito de Spa-Francorchaps , 7004 metros.




Vamos usar como comparativo Spa-Francorchamps, pista usada pelas três categorias:


WEC:  Porsche Team  #17 (Timo Bernhard, Brendon Hartley, Mark Webber) 1:54.767

F1: Mercedes Lewis Hamilton  #44 1:47.197 

GP2: ART Stoffel Vandoorne  #5 1:56.278


                                                                              
                                                                            Volta Onboard:


Para ter-se uma compreensão mais realística das diferenças tanto nos carros como no tempo das voltas, deixo aqui essas voltas Onboard para vocês verem:

                                                                    
                                                                                        WEC:




  Fórmula 1:




  GP2:

*Pista molhada
  





 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog


Valeu!


sábado, 21 de novembro de 2015

George Harrison, Alistair Griffin, David Guetta e as músicas sobre velocidade.

Vamos sair um pouco do habitual hoje e fazer um post um pouco diferente, com um tema que talvez pouco saibam que exista: músicas sobre automobilismo; sim, existe. Entre elas uma clássica canção de George Harrison de 1979. Conheça e ouça essas músicas no post de hoje.

Capa e arte do lado 2 do LP Faster.






                                 




                                                                       








                                                              O ex-Beatle que se encantou com a F1:

Em 1977, George Harrison participou de várias corridas amadoras, pausando brevemente sua carreira musical. Após visitar o GP dos EUA em 1977, Harrison conversou com Niki Lauda e com isso encontrou inspiração para escrever uma canção sobre a Fórmula 1. Ele se inspirou em histórias contadas por Lauda, Scheckter e Fittipaldi para escrever Faster.

Harrison disse sobre a canção: "Eu me diverti e me encantei com a Fórmula Um e com isso eu pude ver as coisas de um ângulo diferente do que sempre pensei sobre esse mundo''.



O clipe e a letra da canção já dizem tudo.



A música que virou tema da F1 na Inglaterra: 

Em geral, o cantor inglês Alistair Griffin não é muito conhecido, porém quando ele lançou a música Just Drive em 2010, logo virou o tema das transmissões do canal Sky Sports F1. A 1° aparição da música na TV foi num vídeo de encerramento da temporada 2010 feito pela BBC. Após isso durante toda a temporada 2012 e 2013, o Sky Sports F1 usou a canção nas aberturas e encerramentos de suas transmissões. Outra aparição de Just Drive foi no game F1 2012.





David Guetta e seu companheiro de equipe Romain Grosjean:

Apesar do clipe por fim ser meio nada a ver e sem sentido, até que é legal. No enredo da história, o ''piloto'' David Guetta estaria disputando uma corrida contra um rival, no clipe eles disputam pela vitória do começo ao fim da prova e por fim é claro, Guetta ganha. No pódio, ainda o ''companheiro de equipe'' de David Guetta, Romain Grosjean (que nem no clipe consegue ganhar uma corrida), chega em 3°.




Um pouco mais de música:

Na semana que aconteceu o Rock in Rio, Eduardo Casola Filho também misturou esses dois elementos num post, relembre: F1 e Rock, uma combinação muito boa.


 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog


Valeu!



sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Bruce McLaren, um legado medido em realizações.

No dia 2 de junho de 1970 o piloto Bruce McLaren estava testando um Can-am (carro esportivo) em Goodwood, Inglaterra, seu destino não foi nada feliz aquele dia pois Bruce bateu e sofreu um acidente fatal. Ali terminava uma vida e uma carreira dedicada ao automobilismo, desde sua adolescência até sua morte. Bruce pelo menos tivera a sorte de partir fazendo o que mais gostava; pilotar.



                                                                   Um pouco de sua história:


O neozelandês nascido em 1937 começou a carreira nos anos 50, sempre foi fascinado por carros e dedicou-se à isso desde a adolescência, época que decidiu seguir carreira como piloto. Após muitos anos se destacando, Bruce chegou a Fórmula 1 em 1958 com um Cooper de F2 no GP da Alemanha daquele ano. Em 1959 fez a temporada completa e venceu seu 1° Grande Prêmio, nos Estados Unidos. McLaren já mostrava ir bem e 1960 venceu logo no começo do campeonato na Argentina, após isso fez mais pódios naquela temporada e foi o vice-campeão. Em 1962 venceu o GP de Mônaco se consagrando no hall de vencedores do principado também. Após isso ficou mais 2 anos na Cooper e saiu para o seu maior projeto da carreira; a própria equipe.

                                                               Bruce McLaren Racing Cars:



Bruce fundou sua equipe em 1963 e por dois anos participou de corridas na Austrália e Nova Zelândia usando alguns Chassis comprados. Mas Foi só em 1966 que McLaren teve condições de criar seu próprio Chassi e se inscrever no campeonato de F1.
Foi no GP de Mônaco de 1966 que essa estreia aconteceu. Bruce alinhou o McLaren M2B no Grid; porém não teve muita sorte, pois abandonou na volta 9 devido a um vazamento de óleo.
McLaren ainda conseguiria colocar seu carro em 5° lugar no México, melhor posição da equipe até então.

                                                          A 1° de muitas vitórias da McLaren:



No GP da Bélgica de 1968 Bruce McLaren cruzou pela primeira vez a linha de chegada na 1° posição com seu carro e após uma prova de ritmo forte e muitos abandonos. Bruce aproveitou-se disso e venceu com a McLaren. 




O restante de sua carreira:

Bruce McLaren no GP da Espanha de 1970, último pódio de sua carreira.

Bruce ainda antes de morrer competiu em 1969 e 1970, conquistou mais 4 pódios pela sua equipe e infelizmente morreu aos 32 anos, deixando uma equipe que tinha muito a crescer ainda e o legado de ser o fundador de uma tal de McLaren.

A McLaren através dos tempos:

A equipe de Bruce McLaren passou por diversos momentos que ficarão para sempre na memória da Fórmula 1, grandes pilotos já passaram pela equipe, grandes carros também e mesmo às vezes em dificuldades sempre o time reergueu-se e voltou a vencer e é por isso que até hoje o ''carrinho do Bruce'' é um dos mais conhecidos do mundo. 
Seja nas pistas ou nas ruas, o sonho de McLaren se concretizou deixando um rastro impossível de se apagar nas curvas da história que marcaram épocas e pessoas. Enfim, um muito obrigado ao Bruce por ter fundado essa maravilhosa equipe que deu-nos tantas emoções.


Um dos melhores vídeos sobre Bruce:
''Uma vida não pode ser medida em anos e sim em realizações''


Legendas em português 










 Clique aqui para:
 
Curtir-Nos no Facebook!

Ler outros textos do blog


Valeu!